segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Atualização Mensal: Agosto 2019: R$ 1.023.570,07 (+ R$ 20.000,00)

Olá, Finansfera

Primeira postagem pós-milhão.

Confesso que tirei um peso das costas, perdi um cliente esse mês e, sinceramente, não me estressei, irritei, nada. Analisei os motivos, vi que não foi falha do meu lado para ver de melhorar algo e pegamos outros clientes para suprir esse.

Acho que essa foi a melhor consequência que veio com o milhão. Essa paz meia aérea. Um amadurecimento ímpar.

Ainda estou longe de começar a decidir sobre qualquer movimento como FIRE ou redução drástica de ganho patrimonial, portanto, sigo acumulando.

Por enquanto, sigo o barco de acúmulo de patrimônio. Muito mais leve, é verdade.

Todavia, por esses próximos períodos, pretendo reduzir o aporte. 

1) Vou tentar aportar 20.000,00 mês. 

2) Outros 10.000,00 mensal vou direcionar para quitar minhas dívidas, quero até o máximo de abril de 2020 pulverizar tudo.

Para o próximo ano, vou pegar esse valor mensal que seria para dívida e vou direcionar para que uma grande pessoa que me ajudou e me ajuda muito, possa atingir as metas dela. Penso em passar o valor mensal até que essa pessoa atinja o primeiro quarto de milhão. Essa pessoa já está em fase de acúmulo, já compra ações e FIIs regularmente.

Quero só dar um gás. Colocarei diversas condições, como ela ter de aportar X ou Y etc Não sei se certo ou errado, mas quero ser um elevador para essa pessoa.

3) Outros 10.000,00 vou jogar para uma aplicação separada, que não contabilizarei no blog, como um fundo para aquisição de sonhos. Isto é, se eu quiser comprar algo ou ajudar uma pessoa ou sei lá o que, tenho esse dinheiro parado ali. Obviamente, estará rendendo, apenas não entrará no financeiro.

===

Atualmente, não possuo nada que queira comprar. Pensei isso em agosto. Casa, itens, equipamentos tecnológicos, carros etc já tenho tudo que preciso. Peças de vestuário sempre usei coisas simples e continuo da mesma forma.

Fui ao shopping outro dia, bermuda e chinelo havaiana, um mulambento. Fiquei observando a sociedade toda chique, linda, maquiada... e só pensei: "é, o milionário mora ao seu lado".

De novidade, um amigo pediu ajuda para finanças. Não dinheiro, mas ajuda para mapear os gastos, dívidas etc Fiz a triagem em uma tarde com ele, planilhamos as dívidas, receitas, despesas, horários e traçamos planos tangíveis com metas críveis para começar a se organizar.
Começará com aportes mensais de 30,00 e busca de complemento de renda para quitar as dívidas. Dei algumas ideias e um desafio de 15 dias para levantar um determinado valor em renda complementar.

Foi interessante a experiência e vou acompanhando. Pensei até em tirar certificação de investimentos, montar um cronograma ou "plano de trabalho" e "adotar" 1 pessoa por ano. Seria sem custos.

Vamos ver, por enquanto, tocamos o barco.


APORTES

Aportes Renda Fixa: R$ 0,00
Aportes Renda Variável: R$ 20.000,00
Rendimento: +0,46%
Fechamento: R$ 1.023.570,07

Considerando só as ações, tive uma rentabilidade de 0,53%. 

Nesse mês as ações deram uma baqueada muito grande. Aportei 5 mil, caiu e sumiu, aportei mais 10, caiu e sumiu, aportei outros 5 e sumiu.
Na última semana apenas que subiu e reverteu o cenário.
Depois de meses no positivo, foi bem difícil ver o aporte desaparecendo hahahah acho que negócio é esquecer as aplicações mesmo.





INCREMENTO PASSIVO E RENDA PASSIVA

Considerando a diferença da evolução patrimonial com o aporte realizado, tive incremento de R$ 4.716,84. Acumulando 80.008,76 em 2019!! 


Esse mês recebi R$ 1.952,38 de renda passiva ( R$ 766,24 foram de ações e R$ 1.186,13 de FIInão são computados juros etc da renda fixa).






Segue gráfico da renda passiva oriunda de Ações e FII:



OPERAÇÕES REALIZADAS

Comprei R$ 48.032,10 em ações e FII (aporte + dividendos e sobrou uma grana na corretora ainda). 


COMPRAS AÇÕES



  • 200 FLRY3
  • 200 BBDC3

    COMPRAS FIIs

    • 34 BBPO11

    Como sempre, os valores acima estão com custos de liquidação, emolumentos e corretagem.

    Dos ativos acima, apenas reforcei posição.




    CEI - CANAL ELETRÔNICO INVESTIDOR





    Um grande abraço a todos.

    quinta-feira, 8 de agosto de 2019

    Primeiro Milhão!



    Olá, meu nome é Investidor Precoce, tenho 32 anos e R$ 1.008.956,49 de patrimônio acumulado.

    Brincadeiras à parte com a Bettina, alcancei o primeiro milhão de reais em patrimônio financeiro.




    Vou acrescentar mais elementos da minha história, alguns pontos podem ser vistos em postagens aleatórias e outras como na postagem de Apresentação feita em 30/12/2016.

    Sinceramente, não sei nem o que postar ou escrever, não preparei nada e nem pensei em nada específico.


    O PRIMEIRO BAQUE E A PRIMEIRA LIÇÃO: HUMILDADE


    De imediato, muitos podem pensar: "porra, era fácil o cara atingir o primeiro milhão, olha o tamanho do aporte dele".

    Mas não, sinto muito. Meus aportes se tornaram violentos de uns anos para cá, mas minha jornada financeira começa há muitos anos.

    Já relatei em ouras postagens e comentários, vim de família simples e desde criança queria construir algo, ter tranquilidade e sempre guardei o dinheiro que ganhava de presentes de parentes e aulas particulares.

    Meu pai trabalhava muito e minha mãe também para conseguir me dar o melhor, no caso, educação, caráter e estudo.

    Naquela época, ainda criança para pré adolescente, caiu a ficha de que eu realmente era superdotado e estudar se tornou uma "diversão tediosa", quando comecei a aprofundar nos estudos avançados de matemática e física, nível colegial e universidade.

    Nascia, aqui, minha primeira fonte de renda: aulas particulares de reforço. Minha metodologia era única e muito simpática. Continuei nessa atividade até o terceiro ano da faculdade, isto é, praticamente dei aulas particulares por mais de 10 anos. Em momentos bons, chegava a tirar 200~300 reais por semana!

    E em 1998 veio o primeiro baque financeiro: meu pai perdeu emprego, perdeu tudo, todas as contas foram bloqueadas por N mil motivos. No fim, não tínhamos dinheiro para comprar água, sério, água.

    Foi quando eu, no auge dos meus 12 anos, tinha quase 15 mil reais acumulado desse dinheiro pingado ao longo do tempo das aulas particulares, peguei tudo e dei para meu pai. 

    Aprendi, aqui, a importância da reserva de emergência. E reserva de emergência é poupança, foda-se a rentabilidade. É dinheiro para poder sacar sábado as 3 da manhã, de imediato.

    Meus pais foram meus heróis nesse momento, pois de trabalho convencional, escritório etc, foi descarregar carreta. Sim, foi trabalhar de chapa. E minha mãe começou a passar roupa para fora, situação que se estendeu por mais de uma década.

    Meu maior aprendizado com eles foi: "coloque a cabeça no travesseiro e durma em paz".

    Aprendi caráter, aprendi esforço, aprendi esperança, aprendi a ter paciência e, principalmente, aprendi humildade e não ter vergonha de dar um passo para trás.

    Então, não, meus aportes de 40 mil reais por mês atuais não caíram do céu e não foi "fácil chegar no milhão aportando alto".


    SOLIDÃO E DEPRESSÃO - A SEGUNDA LIÇÃO: RESILIÊNCIA


    Não vou relatar todos os fatos, mas sempre vivi em uma situação delicada. Já relatei em outras postagens que cheguei a receber extrema unção em determinado momento da vida, pois estava condenado. Cheguei a morrer e ser ressuscitado. Isso me levou sempre a uma dualidade de compreensão e entendimento das coisas, já nem sabia mais ao longo da vida se eu era esquizofrênico, louco, doente ou médium.

    É uma simbiose de planos e vida com vida pós morte. Fiquei com um pé aqui e um pé do lado de lá.

    Aconteceram múltiplas situações e cansei da vida, me afastei de todos e me afundei. Optei em me trancar, sem contato com outras pessoas para fins de "amizade" e era estudar de manhã, estudar de tarde, dar minhas aulas particulares à domicílio, e de madrugada, com todo o esplendor da geração raiz do som da internet discada, me aventurar no submundo da internet estudando muita programação e auxiliando diversos sites.

    Dos 13 aos 17 tive uma vontade imensa de me suicidar, todo santo dia. Não por qualquer motivo específico, simplesmente queria, simples assim. Não me sentia merecedor do direito de estar vivendo a segunda chance que tive. 

    Tentei o ato e falhei. E a situação agravou ainda mais, não tinha coragem, não era certo para com meus pais. Não podia ser egoísta pelos sacrifícios que eles fizeram.

    Nessa época, solidifiquei como nunca minha base de conhecimentos em diversas áreas, assuntos e temas. Aprendi a adaptar meu discurso, o assunto e a conversa conforme o círculo; aprendi a programar e atuei em muitos sites auxiliando com scripts, programas e soluções, sempre invisível.

    Para viver, ou sobreviver, é essencial que tenha fé e se adapte à má sorte e mudanças. Você deve ser um camaleão. 

    E essa foi a segunda lição: seja resiliente, adapte-se.


    A TERCEIRA LIÇÃO:  PERSISTÊNCIA


    Em resumo, aprofundei ainda mais meus estudos dos 17 aos 23 anos. Prestei e gabaritei o ENEM. Na faculdade, ainda sem dinheiro e sem condições, meus pais continuavam trabalhando muito para auxiliar em livros.
    Escrevi muito artigo, fiz muitas publicações, para ir a congressos apresentar as teses, professores que gostavam de mim me patrocinavam.

    Queria muito um estágio na área, não tinha contato, não conhecia ninguém fora os professores e tentei entrar em um escritório para atendimento jurídico a pessoas carentes. Negaram, e tempos mais tarde vim a descobrir que o local era machista, os gestores só selecionavam as estudantes "padrão de beleza". 

    Não aceitei a negativa e fiquei sentado na recepção desse local durante 15 dias, das 13 as 17, todo dia. Sentava na recepção e "quero falar com o diretor". E as respostas eram as de sempre: ocupado, em reunião. Mas continuei e insisti.

    Por que? Porque eu não tinha contato com nenhum advogado, escritório, nada, e esse local era voltado para estudantes e atendimentos a pessoas carentes, fácil acesso da faculdade, fácil para eu ir e voltar. A chance de aprofundar os conhecimentos, fazer o bem e iniciar contatos, sem implicar a ficar amarrado a estágios e afins.

    Depois de duas semanas sentado na recepção, o responsável do local me chamou para conversar e chamou a atenção justamente o fato de eu ir todo dia e ficar aguardando por atendimento. 

    "Me vendi", destaquei os pontos, o que poderia ajudar, vi os volumes de processo, me comprometi a limpar tudo e, o mais importante, iria trabalhar de graça, sem remuneração. Na época eu ainda dava minhas aulas particulares de noite e essas eram suficientes para me custear.

    Portanto, veio a terceira lição: persistência. Queria trabalhar ali para agregar conhecimento e contatos, insisti até conseguir uma reunião e oferecer meu tempo de graça. Era aprender em troca do trabalho. Internamente, eu estava bem remunerado pelo conhecimento que iria adquirir e satisfeito.

    Esse período de contato com pessoas em situação de extrema pobreza evoluiu meu espírito e me deu muita paz.


    A QUARTA LIÇÃO E SEGUNDO BAQUE: GANÂNCIA


    Depois de formado, atuando em um ramo específico da área jurídica, comecei a detectar alguns problemas que eu poderia solucionar com um sistema informatizado.

    Como eu sabia programar, desenvolvi e passei a locar tais sistemas. Minha pretensão era uma só: conseguir 1000,00 por mês com o sistema para ajudar meu pai e outros 500,00 para ajudar minha mãe e ela deixar de passar roupa para fora.

    Foi uma época dificílima. Trabalhando na área jurídica, com meu salário de novecentos reais; desenvolvendo sistemas de noite, conseguindo sair para vender o sistema, dar suporte, aprender financeiro, gerenciar tudo sozinho, enfim.

    Nesse período me tornei um obstinado, e como mencionei na apresentação: "levei um ritmo de trabalho de 18 a 20 horas diárias, inclusive finais de semana e feriados. Isso permitiu alavancar minha vida. Obviamente, sacrifiquei muitas coisas e, uma delas, foi minha saúde, dormi durante todos esses anos 1 a 2 horas por dia. Chegava ao extremo de quase desmaiar de sono.".

    O maior problema e hoje eu vejo foi que todo dinheiro que ganhei nesse período, eram gastos com inutilidades. Na vontade de ter o que nunca tive comprei coisas caras, carros, terrenos, franquias, participação em hotel, participação em empresas fora da bolsa, time sharing, só furadas.

    Estava procurando como enriquecer de forma rápida. Foi quando percebi que eu era um ganancioso. E foi um baque.

    Não há problemas em ser ganancioso no sentido de querer melhorar de vida, mas não se pode pensar no dinheiro pelo dinheiro.

    Juntava uma grana e já gastava. Nos primeiros 100 mil, já dei de entrada em carros de luxos e caros. Depois de atingir de novo esse patamar, dei o carro e mais o dinheiro em outro carro mais caro. 
    Depois peguei dinheiro emprestado com conhecidos e alavanquei mais ainda comprando restaurantes, franquias etc

    E essa foi a minha última lição. Mais importante do que ganhar, é não perder dinheiro.

    Eu tinha um monte de coisa e, no fim, não era dono de nada. Nem do meu tempo e nem da minha vida.

    Essa mesma lição percebi que não é isolada, pois o Executivo Investidor conseguiu passar muito bem o que eu vivenciei em sua postagem "Qual o atalho para o sucesso na caminhada para a IF/FIRE?"


    E daí?


    Contei tudo isso para mostrar que não, não comecei em dezembro de 2016 aportando 10 mil, depois 20, depois 40 mil reais por mês.
    Sempre recebi emails e lia postagens de "aa quem aporta muito é fácil".

    Eu cheguei a ter essa fonte de renda hoje porque ao longo da vida sofri, amadureci, aprendi, evoluí e enxerguei que o dinheiro deve ser a consequência, nunca o fim.

    Aprendi a atuar com humildade no mercado, aprendi a ser resiliente e a compreender a má sorte, aprendi a ser perseverante, ter fé e não desistir e, principalmente, a compreender a ganância e o dinheiro.

    Com isso, foi possível, em 30/12/2016, abrir o blog, cortar despesas, desfazer de negócios ruins e focar. 

    Vida frugal, custo baixo e ser feliz.

    E se eu consegui, com todos os problemas espirituais que possuo, além de ter um problema físico que não vou aqui relatar, você também consegue.

    Afinal, passei algum momento da minha vida e conheci minha esposa em regiões como essa:





    Então, sim, me irritava muito na blogosfera quando lia alguém postando "po, o cara aporta 10 mil por mês, fácil assim hein".

    Quando eu vejo aporte alto, sequer consigo imaginar o que a pessoa passou para conseguir tal aporte. As dificuldades, a coragem, as noites sem dormir.

    O meu, não sei até quando consigo manter, pois cada dia é uma dificuldade. Mas, cheguei lá.

    Deixei a pobreza e virei estatística.



    NOVAS METAS


    As próximas metas tangíveis são: quitar as dívidas que possuo, atualmente em 180 mil reais, tranquilo de serem pagas, pois tenho 100 mil separados não computados no Blog para abater.

    Depois é atingir o 1 milhão na renda variável.



    AGRADECIMENTOS


    Há muitos anos, ainda novo, jurei que esse dia chegaria e chegou. Resisti a muitas tentações. Marquei esse número em minha cabeça e ele veio como consequência de muito esforço: 1.000.000,00.

    Em 30/12/2016 havia fixado uma meta de 72 meses para atingir o primeiro milho grande, portanto, cumpri a meta com 36 meses de folga.

    Na época, imaginei que a média dos aportes ficaria em torno de 10 mil reais, mas ele seguiu crescendo e ganhando força, não sei até quando, mas vou aproveitar a onda e agradecer.

    Sou grato a todos que me apoiaram na jornada, na vida real e na finansfera. Já postei em outras oportunidades, mas tenho uma admiração imensa por cada um. Muito embora eu não tenha comentado em todos os blogs ou participado pouco nos comentários, sempre li e acompanhei e aprendi muito.

    Não tenho como citar todos, mas foram essenciais para o meu amadurecimento e lições ou leituras, e deixo aqui meu obrigado especial a vocês:

    Sequoia Investiments
    O Aportador Financeiro
    Gari Advogado
    Stifler Pobre
    Funcionario Publico Investidor
    Cowboy Investidor
    Lawyer Investidor
    Mestre dos Dividendos
    Mestre dos Centavos
    Eu Sou Ryca!
    Além da Poupança
    Papa Fox Investidor
    Investidor Concursado
    Intendente Frugal

    E as lendas:

    Frugal Simples
    Viver de Renda
    Executivo Investidor
    SrIf365

    Heavy Metal
    InvestidorTroll

    Além de muitos outros que não possuem blog, como o "Ok", "João Roberto" e anônimos.

    Tenham certeza que não só vocês, mas todos que participaram, foram essenciais para o meu amadurecimento, conhecimento e, tenham mais certeza ainda, que pelo menos uma pessoa (eu) vocês ajudaram na vida.

    Sem o rico conhecimento puro e gratuito de vocês, não teria conquistado meu milhão.
    Sem algumas verdades ditas e tapas na cara nos comentários, não teria mantido o foco.
    Sem alguns comentários singulares e peculiares, não teria mantido a sanidade.



    Eu tinha em mente, muitos anos atrás, atingir essa marca e me suicidar.

    Mas, hoje, com família e filho, tal situação é completamente diferente.

    Nunca vivi para mim, sempre me sacrifiquei pelas demais pessoas.

    Como sempre digo, devagar e sempre.

    Vivam a vida, tenham amigos, façam o bem.


    Um grande abraço a todos, e se eu consegui, vindo do nada, me sentindo um merda a vida inteira, continuem na caminhada e perseverança, sem perder dinheiro, que vocês chegarão lá.

    Enfim, repisando, meu nome é Investidor Precoce, tenho 32 anos e R$ 1.008.956,49 de patrimônio financeiro acumulado.